ATUALIDADES 09/04/2018 - 16:25 - Jocyelma Santana - Jornalista PGE/TO

PGE Sérgio do Vale e outros gestores acompanham entrevista de governador Marcelo Miranda

PGE Sérgio do Vale e outros auxiliares acompanham entrevista de governador Marcelo Miranda PGE Sérgio do Vale e outros auxiliares acompanham entrevista de governador Marcelo Miranda - Ademir dos Anjos - Governo do Tocantins
PGE Sérgio do Vale e outros auxiliares acompanham entrevista de governador Marcelo Miranda PGE Sérgio do Vale e outros auxiliares acompanham entrevista de governador Marcelo Miranda - Ademir dos Anjos - Governo do Tocantins
PGE Sérgio do Vale e outros auxiliares acompanham entrevista de governador Marcelo Miranda PGE Sérgio do Vale e outros auxiliares acompanham entrevista de governador Marcelo Miranda - Ademir dos Anjos - Governo do Tocantins
PGE Sérgio do Vale e outros auxiliares acompanham entrevista de governador Marcelo Miranda PGE Sérgio do Vale e outros auxiliares acompanham entrevista de governador Marcelo Miranda - Ademir dos Anjos - Governo do Tocantins

O Procurador-Geral do Estado, Sérgio do Vale, acompanhou na tarde desta segunda-feira, 9, a entrevista coletiva concedida pelo governador Marcelo Miranda à imprensa, antes da reunião geral com todo o primeiro escalão do governo. Miranda volta ao Palácio Araguaia, após decisão liminar do ministro Gilmar Mendes do Supremo Tribunal Federal (STF) e no domingo, 8, renomeou Sérgio do Vale como procurador-geral. 

Na conversa com jornalistas, Miranda disse que "nós possamos continuar unidos, para que a insegurança jurídica não exista e os investidores continuem acreditando no nosso Estado". Ele disse ainda que "são vários projetos em andamento e nós não podemos parar", e que "tenho consciência de que o meu retorno é para dar continuidade aos projetos".  

O governador também mencionou que é preciso cumprir as determinações judiciais, mas que o Estado vai recorrer das recentes decisões que suspenderam o andamento dos concursos públicos para Polícia Militar e Procurador do Estado."Eu vou continuar respeitando a decisão do TJ, mas nós vamos recorrer, porque o Estado não pode parar", ressaltou.