Notícias 10/05/2019 - 16:16 - Thelma Maranhão - Jornalista PGE/TO

PGE comemora Dia das Mães

Homenagem às Mães da PGE/TO Homenagem às Mães da PGE/TO - Thelma Maranhão - Jornalista PGE/TO
Homenagem às Mães da PGE/TO Homenagem às Mães da PGE/TO - Thelma Maranhão - Jornalista PGE/TO
Psicóloga Luciane do Prado ministrando palestra Psicóloga Luciane do Prado ministrando palestra - Thelma Maranhão - Jornalista PGE/TO
Homenagem às Mães da PGE/TO Homenagem às Mães da PGE/TO - Thelma Maranhão - Jornalista PGE/TO
Homenagem às Mães da PGE/TO Homenagem às Mães da PGE/TO - Thelma Maranhão - Jornalista PGE/TO
Homenagem às Mães da PGE/TO Homenagem às Mães da PGE/TO - Thelma Maranhão - Jornalista PGE/TO

Na manhã desta sexta-feira, dia 10, comemorou-se antecipadamente o Dia das Mães, na Procuradoria Geral do Estado. No corredor lotado de procuradores e servidores, foi servido um café da manhã e oferecido a todos os presentes.
 
Abrindo o evento, o procurador-geral, Nivair Borges, agradeceu as mães da PGE, ressaltando que mesmo cansadas, exaustas com as multitarefas que desempenham, seguem firmes, dando o melhor de si e se esmerando cada vez mais em suas atividades profissionais.

Ele agradeceu aos procuradores que  colaboraram com o lanche e com as lembrancinhas oferecidas às mães, e também à subprocuradora do Centro de Estudo, Elyane Monteiro, e a equipe de apoio, pela organização do evento.

Após o café, no auditório da Casa, o procurador-geral, Nivair, o subprocurador-geral, Márcio Junho, e o corregedor, Deocleciano Gomes, fizeram a entrega simbólica das lembranças.

Em seguida, a psicóloga Luciane do Prado Faria, ministrou uma palestra sobre "Medo ou amor, qual prevalece?" De maneira bem tranquila, ela falou sobre a necessidade de se romper as barreiras internas e de se encarar os medos. 

Para ela, a insegurança, das mães, sobretudo - de não serem boas mães, dos filhos não serem bem sucedidos, de não serem felizes, de perdê-los - todos esses medos precisam ser enfrentados para não se transformarem em ansiedade.
 
Luciane defende que, primeiramente, é preciso que as mães tenham amor próprio e saibam que todos os seres têm limitações, ninguém é perfeito. É preciso, claro, do máximo de empenho para fazer as coisas darem certo, mas se  por alguma razão, algo não sair como se deseja, não é motivo para grandes frustrações. Siga em frente.

A psicóloga também falou de mudanças, uma vez que nada é estático, também precisamos mudar. De hábitos, de costumes, de trabalho, de aparência, se isso for o que se necessita, no momento. O importante é descobrir o que é preciso para ser feliz e não deixar o medo lhe engessar.

Segundo ela, o medo é uma trança que atrapalha o amor. “É preciso coragem para arriscar, inclusive perder, mas que com amor se reconstrói tudo”. 

Ao final, a subprocuradora Elyane Monteiro, que emocionada, agradeceu à palestrante e a todos os envolvidos no evento, e sorteou os brindes às mães presentes.

Ainda no auditório, foi montado um stand de semijoias da servidora Mariana Nicolau, que durante todo o dia, estará expondo suas peças, com preços e parcelamentos especiais para os servidores do Órgão.